Resuma a vida em uma palavra

Se você me pedisse para resumir a vida em uma palavra, eu provavelmente lhe diria “arte”. Tudo na vida se resuma em arte, porque ela é como aquele porão velho e empoeirado, que cabe tudo. Você pode dizer que uma situação é poesia, que uma imagem lhe faz pensar nas mais belas palavras, ou que o silêncio te faz querer dançar. É a desconexão que conecta tudo, podemos envolver cada pequeno momento com os maiores, cada expressão com um sentimento, ou a falta dele. Somos a origem da felicidade e também da tristeza, só nós podemos desencadear algo que iremos odiar. Se, ao acordar, a primeira imagem for o delicado rosto de alguém, posso dizer que seus olhos são poesia, que é a música que me faz querer dançar pela avenida. Ou, ao anoitecer, eu posso olhar para um canto da janela e simplesmente desejar morrer, são todos esses sentimentos reprimidos que nos fazem arte por dentro. São os pensamentos, as opiniões, as peculiaridades que nos fazem como uma grande galeria, nem todos a deixam aberta ao público, alguns a tornam privadas por toda a vida, reprimindo assim sua silhueta mais linda, não a da curva da cintura, do sorriso ou das pernas, mas as curvas do pensamento, as cores respingadas na nossa alma, as que pintam nossa aura e definem que tipo de artista somos. Certa vez ouvi que “Se nascer é o maior ato da criação, então, o que eu devia fazer depois disso? Tudo que vem depois não é meio que uma decepção?”- Acredite ou não, essa foi uma frase dita por um personagem de desenho animado. Então se nascer é a mais bela forma de arte, o que nos resta? Falhar repetidamente? Estamos todos destinados a mesmice? Ou podemos compensar o vazio duvidoso com momentos de epifania? Todos morremos, mas nem todos vivemos, alguns apenas vegetam por aí carregando egos inflados nas caríssimas bolsas Prada. Se você me pedisse para resumir a vida em duas palavras, eu provavelmente lhe diria “arte”, mas com certeza lhe diria “origem”. Originamos nossa galeria de arte na corrida de espermas, sendo apenas, os vencedores mais fracassados da história.

Keerollen C.S. Oliveira – Pseudo Alguém 01/10/2016